Experimentos e JIC 2017

postado em: Blog | 0

Para a JIC – Jornada de Iniciação Científica – ocorrida em outubro de 2017, foram apresentadas as referências da pesquisa e os primeiros experimentos. Assim como expostas as questões principais, que surgiram a partir da leitura do texto de Lucia Santaella “Da cultura da mídia às ciberculturas: o advento do pós humano”. 

Anotações de caderno:

“O corpo hoje, corpo virtual, afeto virtual

Cyborg – organismo cibernético

O corpo humano melhorado/ aperfeiçoado/ ajustado pela ciência

Até onde?

O corpo como arma

  • Qual o mínimo para se tornar outro? 

  • Qual o máximo para permanecer o mesmo?

  • até onde podemos ir sendo nós mesmos?

Hoje em dia, com as redes sociais, é muito fácil ser/tornar-se outro, viver de uma imagem que se cria. Esse ser/tornar-se outro é negativo? Por passar a ideia de falsidade/ viver de aparências. Às vezes essa aparência se torna mais você que a sua identificação anterior, isso é um problema? Não somos múltiplos? Quantos de nós existem e podem existir simultaneamente?”

O resumo da pesquisa:

Investigações sobre o corpo expansivo

A pesquisa tem como objetivo o estudo de vestíveis, próteses e extensões do corpo, explorando os efeitos, defeitos, formas possíveis, impossíveis e improváveis que um corpo pode tomar.

Impulsionada pelas questões: “qual o mínimo para se tornar outro? ”, “qual o máximo para permanecer o mesmo? ”e “quando um corpo se torna irreconhecível? ” a pesquisa irá experimentar texturas, cores, luz, transparência, movimento, interatividade, artifícios visuais, ilusórios e táteis e outros meios expressivos para responder as perguntas sem intenção de uma solução única e finita.

Através de aplicações sutis, intervenções pequenas e/ou grotescas, buscaremos meios de tornar um corpo estranho, seja para si ou para o outro, refletindo acerca da pluralidade do ser humano hoje e investigando temas que permeiam as noções de belo, agradável, desagradável e incômodo e áreas de pesquisa na arte, moda, biologia, tecnologia, bioética, comportamento e suas linguagens.

A metodologia da pesquisa é prático-teórica, com estudos e experimentos que serão registrados e apresentados em vídeo e foto-performance.  Como apoio, serão investigados artistas como Lucy Mcrae, Shai Langen e Anouk Wipprecht.

Referências bibliográficas:

  •      VILLAÇA, Nízia. A edição do corpo: tecnociência, artes e moda. Barueri, SP: Estação das letras Editora, 2007
  •      SANTANELLA, Lúcia. Pós-humano: porque? REVISTA USP, São Paulo, n.74, p. 126-137, junho/agosto 2007.

  •      SANTANELLA, Lúcia. Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do pós- humano. Revista FAMECOS • Porto Alegre • no 22 • dezembro 2003.

  •      CARL, Wolfgang. A natureza do si-mesmo: Hume ou Kant? Universidade de Göttingen. Analytica v.6 n.1, 2001/2002.

  •      Entrevista com José Gil conduzida por Bruno Marques. Revista de História da Arte n5, 2008.

Fotos dos experimentos: 

Experimento 1 – rolos (http://www.nano.eba.ufrj.br/experimento-1-papelao/)

Experimento 2 – amido

 

Experimento 3 – painas

 

Experimento 4 – ameba

 

 

 

 

 

Experimento 1 – Rolos

postado em: Blog, Fotos, Processos | 3

O experimento de material 1 foi feito com rolos de papel cortados, pintados e conectados uns aos outros. O resultado foi um acessório semelhante à uma coluna que foi experimentado em algumas partes do corpo. Alguns dos registros estão anexados à esse post.

Com esse experimento, percebo um processo caseiro e íntimo, um ser que à primeira vista causa estranheza mas depois torna-se familiar nesse ambiente, que não diz nada, pode ser qualquer lugar ou lugar nenhum. É o primeiro de uma série de experimentos com o corpo, sugerindo sua multiplicidade e possibilidade de expansão.

IMG_1443 IMG_1453 IMG_1461 IMG_1466 IMG_1473 IMG_1475

Nós Abelhas – Processo de Montagem estrutura em dobradura

Nós Abelhas é um dos desdobramentos do projeto S.H.A.S.T. – Sistema Habitacional para Abelhas Sem Teto – com o objetivo de criar uma instalação móvel para jardins. O esquema mostra as dimensões em escala humana e suas partes. Nas imagens abaixo estão documentados momentos diversos da produção do invólucro do corpo, concebido com base em dobraduras de origami.

 

 

 

 











Oficina Natureza

postado em: Processos | 0

Oficina Natureza – Fazenda Santa Helena – Rio de Janeiro – Saturday September 14, 2013 9:00 AM – Sunday September 15, 2013 5:00 PM BRT Proposta de imersão por dois dias em processos hibridos naturais/artificiais.

Q_ _ _ _ _ _ no Transperformance

postado em: Blog, Processos | 1

No dia 18 de dezembro de 2011, o Grupo A.C.Ho expandido coordenado or Malu Fragoso realizou a performance Q_ _ _ _ _ _ durante o evento Transperformance no Oi Futuro Ipanema, no Rio de Janeiro.
Performers: Barbara Castro, Gilson Motta, Lorena da Silva, Malu Fragoso, Rafaeli Mattos.

A presente proposta atua como uma visão de realidades intangíveis a nossa corporeidade do chão. Estaremos simultaneamente re-experimentando a proximidade com a rota do chão, traçando nosso caminho visando as alturas.

Três performers conduziram câmeras suspensas por balões de hélio. As câmeras transmitiam as imagens capturadas ao redor da praça General Osório para um sistema de exibição de vídeo streaming em tempo real que podiam ser assistidas em um site na internet ou em uma sala dentro do Oi Futuro. Paralelamente, outros dois distribuíam balões comuns para os transeuntes. Os balões distribuídos tinham uma altura menor do que os que suspendiam as câmeras. Desta forma, era possível ver os trajetos das pessoas presenteadas com os balões. Estas pessoas tinham algo em comum, uma característica muito comum aos frequentadores da região, utilizavam chinelos de dedo.
Os chinelos foram selecionados como elemento-guia para a performance devido a sua popularidade indiferente ao perfil de quem o usa. O chinelo é utilizado por todos que frequentam a região, cariocas ou turistas, ricos ou pobres. Esta foi uma das constatações feitas na pesquisa de campo realizada na ocasião do convite para participação no evento. O local abriga as escalas e divergências que marcam nossa cidade, o Rio de Janeiro. Nuances e polarizações sociais e naturais. O mar e o morro, o luxo e a favela, o asfalto e o elevador, o baixo e o alto. É então possível caminhar de diversas formas sobre o perfil carioca. Assim, apresentamos Q_ _ _ _ _ _, um sistema de localização geo-socio-cultural (GscPS) composto por balões, câmeras, performers e chinelos de dedo.

As imagens continuam disponíveis no site. (clique na imagem para redirecionamento)