Luiz Alberto Oliveira (Museu do Amanhã)

Título: Tempo: uma ilusão, ainda que persistente

Resumo

Acreditamos, fundados em nosso senso comum, conhecer os atributos essenciais do Tempo: linha infinita de instantes, fluxo irresistível que transporta os seres do mundo do passado para o futuro, base deslizante em que o Real habita. Existe, sem dúvida, uma bem definida Imagem do Tempo no Ocidente. Contudo, para muitos cientistas essa Imagem, ainda que funcional, não é “objetiva”, não corresponde a nenhum atributo fundamental da realidade natural. E ainda mais, as Ciências contemporâneas exibem diversas noções ou operadores denotados pelo termo “tempo”, em diferentes domínios. Como o conhecimento sobre a Natureza se transforma perante estas novas figuras de temporalidade? E qual o significado dessa “Refundação do Tempo” para outros campos da cultura?

Short Bio

Físico, doutor em Cosmologia, foi pesquisador do Instituto de Cosmologia, Relatividade e Astrofísica (ICRA-BR) do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF/MCTI), onde também atuou como professor de História e Filosofia da Ciência. Professor, palestrante e consultor de diversas instituições, é atualmente o curador do Museu do Amanhã do Rio de Janeiro.