Experimentos e JIC 2017

postado em: Blog | 0

Para a JIC – Jornada de Iniciação Científica – ocorrida em outubro de 2017, foram apresentadas as referências da pesquisa e os primeiros experimentos. Assim como expostas as questões principais, que surgiram a partir da leitura do texto de Lucia Santaella “Da cultura da mídia às ciberculturas: o advento do pós humano”. 

Anotações de caderno:

“O corpo hoje, corpo virtual, afeto virtual

Cyborg – organismo cibernético

O corpo humano melhorado/ aperfeiçoado/ ajustado pela ciência

Até onde?

O corpo como arma

  • Qual o mínimo para se tornar outro? 

  • Qual o máximo para permanecer o mesmo?

  • até onde podemos ir sendo nós mesmos?

Hoje em dia, com as redes sociais, é muito fácil ser/tornar-se outro, viver de uma imagem que se cria. Esse ser/tornar-se outro é negativo? Por passar a ideia de falsidade/ viver de aparências. Às vezes essa aparência se torna mais você que a sua identificação anterior, isso é um problema? Não somos múltiplos? Quantos de nós existem e podem existir simultaneamente?”

O resumo da pesquisa:

Investigações sobre o corpo expansivo

A pesquisa tem como objetivo o estudo de vestíveis, próteses e extensões do corpo, explorando os efeitos, defeitos, formas possíveis, impossíveis e improváveis que um corpo pode tomar.

Impulsionada pelas questões: “qual o mínimo para se tornar outro? ”, “qual o máximo para permanecer o mesmo? ”e “quando um corpo se torna irreconhecível? ” a pesquisa irá experimentar texturas, cores, luz, transparência, movimento, interatividade, artifícios visuais, ilusórios e táteis e outros meios expressivos para responder as perguntas sem intenção de uma solução única e finita.

Através de aplicações sutis, intervenções pequenas e/ou grotescas, buscaremos meios de tornar um corpo estranho, seja para si ou para o outro, refletindo acerca da pluralidade do ser humano hoje e investigando temas que permeiam as noções de belo, agradável, desagradável e incômodo e áreas de pesquisa na arte, moda, biologia, tecnologia, bioética, comportamento e suas linguagens.

A metodologia da pesquisa é prático-teórica, com estudos e experimentos que serão registrados e apresentados em vídeo e foto-performance.  Como apoio, serão investigados artistas como Lucy Mcrae, Shai Langen e Anouk Wipprecht.

Referências bibliográficas:

  •      VILLAÇA, Nízia. A edição do corpo: tecnociência, artes e moda. Barueri, SP: Estação das letras Editora, 2007
  •      SANTANELLA, Lúcia. Pós-humano: porque? REVISTA USP, São Paulo, n.74, p. 126-137, junho/agosto 2007.

  •      SANTANELLA, Lúcia. Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do pós- humano. Revista FAMECOS • Porto Alegre • no 22 • dezembro 2003.

  •      CARL, Wolfgang. A natureza do si-mesmo: Hume ou Kant? Universidade de Göttingen. Analytica v.6 n.1, 2001/2002.

  •      Entrevista com José Gil conduzida por Bruno Marques. Revista de História da Arte n5, 2008.

Fotos dos experimentos: 

Experimento 1 – rolos (http://www.nano.eba.ufrj.br/experimento-1-papelao/)

Experimento 2 – amido

 

Experimento 3 – painas

 

Experimento 4 – ameba

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *