Thinking Hyperorganisms

postado em: Destaques, Publicações | 1

Livro publicado pela LAP LAMBERT Academic Publishing

Pode ser adquirido aqui: http://www.amazon.co.uk/Thinking-Hyperorganisms-technology-connectedness-integrative/dp/3843363366

“In the work of Guto Nobrega, nothing is taken for granted. Every aspect of the creative act – its place within the aesthetic realm, its interaction with nature, its utilization of scientific principles and techniques – is subject to creative interrogation, analysis and open-ended exploration. This involves a practice that is holistic and coherent in its manner of inquiry, and that challenges habitual dichotomies of thought to the point of cultural rupture.  Qualities of technoetic integration and the creative application of field models mark his method. The metaphors and insights of biophysics that are at work in his understanding of living organisms are demonstrated vividly in the poetic insight he shows towards the integrative function of biophotonic process. His approach is to create networks of relevance and association that weave between and beyond discrete disciplines and discursive orthodoxies. His is the art of connective coherence.”  Prof. Roy Ascott.

………….

My Doctoral Thesis was published by the LAP Publishing.

If anyone interested in publishing Bachelor, Master, Doctorade thesis, please write me gutonobrega@gmail.com

LAP publishes academic research worldwide – at no cost to our authors.

We are one of the leading publishing houses of academic research. We specialize in publishing theses, dissertations, and research projects.

From the large number of research papers that are continuously being completed in higher education, we identify those which – due to their quality and practical relevance – are suitable for publication. In this way, the latest research is conveyed quickly and tailored to the needs of the respective specialist audience.

All monographs, scripts, diploma theses, master theses, dissertations, postdoctoral theses, and lecture notes are published by LAP as a specialist book in a high-quality paperback fitting with an individual cover image, ISBN and barcode. Our titles are produced on-site in the USA, UK and Germany, and distributed worldwide via the leading retailers.

………….
Artigos

Nóbrega, C. A. M. Leaves Systems: Communication with plants.. Antennae, v. 18, p. 102-109, 2011.

Nóbrega, C. A. M. Biophoton ? the language of the cells: What can living systems tell us about interaction?. Technoetic Arts, v. 4, p. 193-201, 2006.

Nóbrega, C. A. M. . Arte como um campo de interações.. Concinnitas (Rio de Janeiro), v. 1, p. 64-69, 2006.

Nóbrega, C. A. M. . Luz e Letra (Resenha). Arte & Ensaio (UFRJ), v. 1, p. 197-198, 2005.

Nóbrega, C. A. M. . Interações, hibridações e simbioses. Arte & Ensaio (UFRJ), v. 9, p. 98-105, 2004.

Nóbrega, C. A. M. . Thinking Hyperorganisms. Art, technology, coherence, connectedness, and the integrative field.. 1. ed. Saarbrücken, Germany: LAP Lambert Academic Publishing, 2010. 248p .

Nóbrega, C. A. M. . Art as an interactive field. Subtle liaisons. In: Roy Ascott, G Bast, W Field. (Org.). Conference proceedings of the The Planetary Collegium s IXth International Research Conference: Consciousness Reframed – 2008. Conference proceedings of the The Planetary Collegium s IXth International Research Conference: Consciousness Reframed – 2008. 1ed.New York: SpringerWienNewYork, 2009, v. 1, p. 215-219.

Nóbrega, C. A. M. . Inter faces Urbanas. In: Katia Maciel. (Org.). Transcinemas. Transcinemas. 1ed.Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009, v. 1, p. -.

Nóbrega, C. A. M. . Interconnecting minds. Playing art. In: Erich Berger. (Org.). Exhibition Catalogue, Conference Proceedings. Homo Ludens Ludens. Exhibition Catalogue, Conference Proceedings. Homo Ludens Ludens. Gijon: LABoral Centro de Arte y Creación Industrial, 2008, v. , p. -.

Nóbrega, C. A. M. Animalice. Proposta para uma narrativa interativa digital com base na lógica paradoxal de Lewis Carroll.. In: Katia Valeria M. Toledo; André de Souza Parente. (Org.). Redes Sensoriais. Redes Sensoriais. 1ed.Rio de Janeiro: Contra Capa, 2003, v. , p. 51-60.

Nóbrega, C. A. M. . Entrevista para a matéria: “Quando crescer, vou ser artista plástico.. Ciência Hoje das Crianças, Rio de Janeiro, p. 22 – 23, 01 abr. 2011.

Nóbrega, C. A. M. . As formas artisticas da tecnologia. Jornal da UFRJ, Rio de Janeiro, p. 22 – 22, 01 mar. 2006.

Nóbrega, C. A. M. . Hibridação como estratégia experimental no jogo contra aparelhos (ANPAP). In: ANPAP RJ/2010 Encontro Regional da Associação Nacionalde Pesquisadores em Artes Plásticas[des][des]limites da arte:reencantamentos, impurezas e multiplicidades, 2010, Rio de Janeiro. ANPAP RJ/2010

Encontro Regional da Associação Nacionalde Pesquisadores em Artes Plásticas[des][des]limites da arte:reencantamentos, impurezas e multiplicidades, 2010. v. 1. p. 1-1.

Nóbrega, C. A. M. Hibridação como estratégia experimental no jogo contra aparelhos (9#ART). In: 9º Encontro Internacional de Arte e Tecnologia, 2010, Brasilia. 9#ART. Sistemas Complexos, Artificiais, Naturais e Mistos.. Brasília: UNB, 2010. v. 1. p. 209-216.

Nóbrega, C. A. M. Art as a field phenomenon. In: International Symposium on Electronic Art 2008. Singapore, ISEA., 2008, Singapore. International Symposium on Electronic Art 2008. ISEA., 2008. v. 1.

Nóbrega, C. A. M. . Art as an interactive field. Subtle liaisons. In: The Planetary Collegium s IXth International Research Conference: Consciousness Reframed, 2008, Vienna. Conference proceedings of the The Planetary Collegium s IXth International Research Conference: Consciousness Reframed. New York: SpringerWienNewYork, 2008.

Nóbrega, C. A. M . Art as an Interaction field.. In: Congresso QI and Complexity Consciousness reframed: The 6th International Research Conference, 2004, Beijing. QI and Complexity Consciousness reframed: The 6th International Research Conference, 2004. v. 1. p. 314-321.

Nóbrega, C. A. M. . Interconnecting minds. Playing art. In: Homo Ludens Ludens, 2008, Gijon, Spain. Exhibition Catalogue, Conference Proceedings. Homo Ludens Ludens. Gijon: LABoral Centro de Arte y Creación Industrial, 2008. v. 1.

Nóbrega, C. A. M. . Leaves System: Art Experiment in Plant Communication and Primary Perception. In: REVIEWING THE FUTURE: Vision, Innovation, Emergence, 2007, Quebec. REVIEWING THE FUTURE: Vision, Innovation, Emergence. Abstracts of the 2007 Planetary Collegium Summit. Montreal – Canada: Planetary Collegium, 2007.

Nóbrega, C. A. M. . Biophoton The language of the cells. What can living systems tell us about interaction?. In: Consciousness Reframed: art and consciousness in the post-biological era. 8th International Research Conference. Plymouth, 2006, Plymouth – UK. Consciousness Reframed: art and consciousness in the post-biological era. 8th International Research Conference. Plymouth: Planetary Collegium, 2006.

Nóbrega, C. A. M. . Biófoton – a linguagem das células. O que os sistemas vivos podem nos dizer a respeito de interação?. In: ?F.A.q. > Questions about Art, Consciousness & Technology, 2006, São Paulo. ?F.A.q. > Questions about Art, Consciousness & Technology, 2006.

Nóbrega, C. A. M. . Animaalice. Proposta para uma narrativa interativa digital com base na lógica paradoxal de Lewis Carroll. In: Redes Sensoriais: arte, ciência e tecnologia., 2003, Fortaleza. Redes Sensoriais. Arte, Ciência, Tecnologia. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2003. v. 1.

Além das Mídias Interativas: das cibernéticas às tecnoéticas | de Roy Ascott

postado em: Blog | 0

Tradução Cleomar Rocha e Júlio César dos Santos

Por toda a minha carreira, as mídias cibernéticas tem sido o elemento integrativo no meu processo criativo. Em 1959, os escritos de Ross Ashbyi, Norberto Wiennerii, e Heinz von Foersteriii inspirou meu pensamento sobre redes dentro de redes – tanto semânticas quanto orgânicas – que poderiam dar forma a uma arte conectiva, transformativa e generativa. Eu percebi, de pronto, que isto poderia prover uma disciplina para a arte interativa, lincando mente-a-mente, lugar-a-lugar, dentro …

Continua

Espectros Contemporâneos

postado em: Agenda | 0

A Exposição Espectros Contemporâneos reúne obras de artistas que têm em comum a pesquisa, produção e transferência de conhecimento no contexto do Programa de Pós Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal do Rio de Janeiro e seus laboratórios. Ao todo são cerca de 10 trabalhos entre: objetos, instalações, vídeos, sistemas interativos e performances, reunidos numa mostra que apresenta ao público um recorte da produção de arte contemporânea, caracterizada pela investigação transdisciplinar de poéticas artísticas e o diálogo com diversos campos do saber.

O foco dessa exposição se encontra na imagem e o caráter espectral que a mesma vem assumindo em nosso cotidiano. São espectros que se desprendem dos monitores, das TVs, da fotografia e do cinema, para invadirem a cena urbana, interagirem com o público, habitarem corpos performáticos e informáticos, provocando o observador a repensar sua relação com as coisas e o mundo. Essa mostra nos brinda com algumas dessas imagens e os dispositivos que lhes dão visibilidade.

Os trabalhos que ocupam os espaços do SESC Friburgo tratam da construção de uma experiência afetiva, a ser elaborada individualmente entre público e cada obra, mas também coletivamente, através das diversas narrativas possíveis de serem criadas entre os demais trabalhos, seus espaços reais e imaginários. Convidamos aos visitantes espectadores e participantes dessa mostra a navegarem as obras e suas estórias, imergindo dessa maneira numa experiência sensível e poética. Seu olhar é a chave de entrada.

Guto Nóbrega e Malu Fragoso

 

De terça a domingo, de 8h às 21h

Exposição coletiva com dez artistas-pesquisadores cariocas, com curadoria dos professores da UFRJ – Programa de Pós Graduação em Artes Visuais, Linha Poéticas Interdisciplinares – Guto Nóbrega e Malú Fragoso, tendo como desenvolvimento principal a pesquisa em arte e tecnologia.

Festival de Inverno 

MACHINARIUM

postado em: Agenda, Blog, Publicações | 0
Guto Nóbrega participa com o trabalho Bot_anic no evento: 

MACHINARIUM

Curadoria: Marisa Flórido

O projeto tem como fio condutor uma reflexão sobre a relação arte/ciência, a fim de permitir ao público aproximar-se de questões que permeiam a arte dos dias de hoje – o avanço tecnológico, transformações no olhar via infinita produção de imagens, nova visão de mundo. O objetivo é auxiliar no dimensionamento e na redefinição das fronteiras entre a visualidade, a natureza, a máquina, o homem e sua realidade imagética. A exposição contará com um conjunto de artistas brasileiros e estrangeiros, cuja produção tenha a ciência como conceito ou meio de experimentação estética ou intelectual. Instalações, vídeos, projeções, fotografias e objetos integram a mostra.

De 14 de julho a 8 de setembro | Galerias (térreo e nível 2)
Terça a domingo, 13h às 21h
Entrada franca | Classificação etária: livre

Oi Futuro Ipanema

convite virtual machinarium

Bot_anic, revisto, mais estável, mais potente….

postado em: Blog | 0

Depois de dois shields queimados (um por descuido, inverti a alimentação externa de 12 volts e “fritei” o integrado. No outro shield um dos chips parou de funcionar, creio que devido ao excesso de corrente pois o motor não estav aguentando o peso do vaso com planta e tudo mais….) re-estruturei  o chassis do robô e coloquei dois motores de 12 volts com redução. O chassis está mais compacto e robusto. Acrescentei dois “bigodes” para reverter o motor caso o robô esbarre em um obstáculo (old stile). Inclui também uma tomada para carga da bateria durante a noite. Agora falta apenas dois LDRs e programação. Vejam as fotos.

IMG_3799

Chave reversora customizada

IMG_3797

Novo posicionamento dos shields e arduino

IMG_3796

IMG_3794

IMG_3795

IMG_3793

Regulagem do GSR

IMG_3792

Fêmea para recarga da bateria de 12 volts

IMG_3791 IMG_3790

 

IMG_3789

 

IMG_3788

IMG_3785

Telebiosfera

postado em: Blog | 0

Telebiosfera é um projeto de arte focado na construção de um ambiente híbrido (composto de elementos naturais e artificiais) no qual seja possível uma experiência imersiva, telemática, bio-comunicativa entre ecossistemas distintamente localizados. O projeto tem por objetivo a construção de dois pequenos domos que possibilitem ao visitante conectar, visualizar e interagir, dentro de cada ambiente (telebiosfera), com seu par remoto. Cada telebiosfera será capacitada para receber e transmitir dados e imagens do ecossistema em que a mesma esteja inserida em tempo real. Ao visitante será possível experienciar esses dados na forma de imagens e sons interativos, assim como através da reprodução por simulação do ambiente remoto (temperatura, luz, umidade, etc.). A principal interface de interação entre os micro ambientes recriados na telebiosfera será um sistema híbrido composto de uma planta e organismo artificial para leitura de respostas galvânicas vegetais.

sistemaDomo

Proposta instalativa para Bot_anic

postado em: Blog | 0

Bot_anic” (Bot derivando de robô) trata-se da criação de um híbrido planta/robô que dá continuidade às investigações sobre processos com base no entrecruzamento de organismos naturais e artificiais no contexto da arte. Esse projeto deriva do trabalho “Breathing” (2009)[1], que deu origem aos métodos e sistemas que vem sido desenvolvidos atualmente. Nesse novo projeto aplicaremos o mesmo processo de monitoramento sensível de plantas com base num medidor de respostas galvânicas adaptado para folhas vegetais[2]. Em Bot_anic iremos criar um circuito eletrônico para arduino através do qual poderemos monitora variações de condutância em duas folhas distintas. Isso nos dará a possibilidade de analisar a diferença de sinais entre as duas folhas e usar essa diferença para criar “sentido” e direcionar o movimento de um pequeno robô que carregará a planta.  Ao todo o projeto consiste de 3 etapas: montagem de um motor shield ( circuito eletrônico) para arduino, responsável pelo controle de dois motores DC de baixa potência, montagem do shield para monitoramento de condutividade em folhas vegetais, montagem de uma estrutura robótica para transportar a planta.

A ponte entre a planta e o robô é uma interface circuito customizado para leitura de resposta galvânica, adaptado para a medir variações de resistência elétrica na superfície de folhas vegetais. A alma desse dispositivo é um circuito wheatstone bridge, cuja configuração eletrônica é definida por uma ponte de resistores em equilíbrio, sendo que um dos resistores é substituído pelas folhas de uma planta. Quando a condutividade elétrica dessa planta varia, a ponte se desequilibra gerando um output que é amplificado e aplicado na entrada analógica de um microcontrolador  arduino para análise e processamento de dados que irão atuar nos demais estágios do sistema.

Abaixo na imagem, proposta instalativa para Bot_anic.



[1] Projeto artístico desenvolvido ao final do doutoramento no qual uma planta tem seu processo eletrofisiológico monitorado  (condutividade elétrica das folhas) e aplicado num sistema robótico para produção de movimento e luzes. Cf. http://cargocollective.com/gutonobrega/filter/artwork/Breathing

proposta Oi Bot_anic2

Second Nature – Ars Electronica

postado em: Blog | 0

Coletânia de bons trabalhos sobre o tema. Atenção para trabalhos de alguns brasileiros.

second nature Ars

Second nature

There no longer exists a single aspect of our lives in which technical devices or processes do not play a dominant role. In just about everything we do, we employ modern technology, are enveloped and even permeated by it as if by a second nature that we have created on our own and for ourselves. At ever shorter intervals, this ongoing technological development institutes a new set of facts & circumstances, and has long since established itself as one of the prime determinants of our social, scientific, economic and political reality. We are constantly creating new tools, new materials and new media. In going about this, we usually use as our model that very same nature we are endeavoring to comprehend, control and ultimately upgrade. But even if it’s merely a means to an end, this process of investigating flora and fauna also yields incidental benefits, opening up new findings and insights into life on The Blue Planet. And scientists aren’t the only ones at work weaving this web of development; artists as well seek and discover cognitive and emotional approaches and interpretations to thereby satisfy humankind’s longing to not entirely lose contact with our origins.

Fourth Exhibition Staged by Volkswagen Automobil Forum Unter den Linden and Ars Electronica Linz

This fourth exhibition staged jointly by Volkswagen Automobil Forum Unter den Linden and Ars Electronica Linz scrutinizes the determinative elements in this process’ past, present and future—those factors that enable us to become cognizant of what is natural and artificial in everyday life, to experience those two and differentiate between them. Artistic works, perspectives and positions selected from the media art network of the Prix Ars Electronica, the world’s most prestigious and highest endowed prize honoring excellence in media art, underscore the tremendous relevance of investigating this issue and likewise shed light on its multifarious effects on everyday life.

Unconventional Configurations and New Types of Artists

Each of 15 works of art uniquely manifests various approaches and associations. This show illustrates the wide array of roles artists assume, of themes their concepts and configurations encompass, of unconventional ways they choose to relate their narratives. What also becomes evident over the course of this encounter is a new type of artist, one characterized by a high level of substantive competence—which is to say artistic, scientific and sociopolitical capacities—and, with respect to art’s role, one who keeps the big picture in mind. This applies to Agnes Meyer-Brandis and her ironic take on science and how scientists see themselves, as well as to Willem van Weeghel and his playful dealings with perception and self-perception. Observations of nature served Yasuhiro Suzuki, Akira Nakayasu and Alistair McClymont as sources of inspiration for their aesthetically demanding, highly expressive works having to do with robotic plants, blinking leaves and artificially generated tornados. The Brazilian duo Cantoni/Crescenti, on the other hand, sets up an elaborate configuration of light patterns, shadows and reflections as a means of shifting the installation visitors themselves and their reactions and observations into the focal point of attention.

 

Source: http://export.aec.at/berlin2013/en/

Diálogos Transdisciplinares Conectividade e Subjetividades

postado em: Agenda, Blog | 0

 

Diálogos Transdisciplinares, sob o tema “Conectividade e Subjetividades”, será realizada nos dias 13 e 16 de maio de 2013, no Rio de Janeiro, com a participação dos palestrantes Christa Sommerer e Laurent Mignonneau, Derrick de Kerckhove, Rodrigo Chicchelli Velloso, Michelle Salles, Livia Flores e Simone Michelin.

 Diálogos Transdisciplinares abre a discussão a partir do enfoque nos processos de criação e nas referencias ou fontes inovadoras de conhecimento. Investe em questões de ecologia, inclusive ecologia humana, a partir da imersão e experimentação criativa nos ambientes cibernéticos. Por meio de debates públicos e apresentação de colaborações artísticas no campo da arte e tecnologia, são levantadas questões prioritárias sobre relações que surgem entre homens, máquinas inteligentes, o universo tecnológico contemporâneo e a “natureza” constituída a partir dessas relações. São questionamentos que expressam a onipresença de produtos multimídia resultante da ubiquidade das ferramentas e/ou dispositivos tecnológicos computacionais, que permeiam cada vez mais a sociedade contemporânea. Acreditamos que o profissional na área da formação e da pesquisa em arte, em especial no que tange sua interseção com as ciências e tecnologias contemporâneas, necessita cada vez mais atualização sobre as questões inerentes ao tema. O evento oferece a oportunidade de dialogar com artistas e pesquisadores especializados na área que podem expandir nossos horizontes para perspectivas futuras nos campos das “novas” estéticas e “novas” formas de interação humano/máquina-obra/público.

O evento irá promover um espaço de diálogo, de caráter transdisciplinar, buscando entrecruzar campos do saber em seus processos exploratórios com base no trinômio arte-ciência-tecnologia. Pretende com isso: estimular o diálogo, no campo da teoria e na prática artística, sobre as novas mídias, interfaces e tecnologias da informação; agenciar processos colaborativos entre cientistas e artistas em busca de novas formas técnicas, naturais, artificiais ou híbridas; estimular uma reflexão estético-tecnológica a partir de poéticas artísticas; fortalecer o diálogo entre pares no Brasil e no exterior com iniciativas de desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação; promover vínculos com centros nacionais e internacionais de caráter inovador como o Laboratório de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Mídias Interativas – Media Lab, da Universidade Federal de Goiás, parceiro na promoção deste DT; dar visibilidade à produção e iniciativas brasileiras de inovação e às pesquisas nesta área; dar continuidade aos eventos DT com uma abrangência ampliada de publico e de parcerias nacionais e internacionais como evento periódico.

O evento será resultado das parcerias entre a Escola de Belas Artes/ UFRJ, Laboratório Nano/ UFRJ, Escola de Comunicação/ UFRJ, CAPES/ MEC, Media Lab/ UFGO, PPGAV/ UFRJ e Mestrado em Artes da Universidade Federal de Santa Maria /UFSM.

Programação

Diálogos Transdisciplinares – mesa 1

Palestra com Derrick Kerckhove

Mediação: Malu Fragoso – NANO/UFRJ

Transmissão online e conexão de vídeo conferência com Programa de Pós-graduação da UFSM.

Convidados para debate:

Rodrigo Cicchelli Velloso – Música / UFRJ

Michelle Sales – EBA / UFRJ

Data: 13 de maio 2013, Segunda-feira

Horário: 10h

Local: Auditório sala 614, Prédio da Reitoria

Av. Pedro Calmon n°550 , Cidade Universitária – UFRJ

 

Diálogos Transdisciplinares – mesa 2 

Christa Sommerer e Laurent Mignonneau

Mediação: Guto Nóbrega– NANO/UFRJ

Convidados para debate:

Simone Michelin – Artes Visuais / UFRJ

Lívia Flores – Arte Contemporânea / UFRJ

Doris Kosminsky – Comunicação Visual Design / UFRJ

Hélio Jorge Pereira de Carvalho – Artes / UFF

Data: 16 de maio 2013, Quinta-feira

Horário: 14h

Local: Studio-X Rio, Praça Tiradentes n° 48, Centro


Currículos dos participantes

Derrick de Kerckhove

Reconhecido internacionalmente como um dos mais importantes teóricos sobre a relação entre as tecnologias digitais e a sociedade, Derrick de Kerckhove é doutor em Língua e Literatura Francesas pela Universidade de Toronto, Canadá, e possui “Doctorat du 3e cycle” em Sociologia da Arte pela Universidade de Tours, França. Discípulo do famoso teórico canadense Marshal McLuhan, dirigiu por mais de 20 anos o Programa McLuhan em Cultura e Tecnologia da Universidade de Toronto. Leciona, principalmente, nas universidades de Toronto, no Canadá e na Federico II, em Nápoles, Itália. É pesquisador convidado na Biblioteca do Congresso Nacional em Washington, EUA, e em diversos países além dos mencionados, como China, Japão, Brasil e Argentina. Trabalhou durante a década de 1970 como aluno-assistente e coautor de Marshall McLuhan. Aprofundou as ideias de Marshall McLuhan e, a partir delas pesquisou novos caminhos do cruzamento da comunicação com a tecnologia digital. Uma de suas pesquisas versa sobre a forma como os media podem revolucionar a pedagogia e o conhecimento. D. de Kerckhove tem oferecido seminários e oficinas em vários países sobre inteligência conectiva os quais procuram oferecer abordagens inovadoras para empresários, governos e academias. Autor do livroA Pele da Cultura (Uma investigação sobre a nova realidade eletrônica) , tradução portuguesa: Luis Soares e Catarina Carvalho. Lisboa: Rlógio D’Água Editores, 1997.


Christa Sommerer

Bióloga austríaca,  desenvolve com o artista francês Laurent Mignonneau instalações que produzem seres inexistentes na natureza. Atuou como professora associada do Instituto de Artes e Ciências Mediáticas Avançadas, Iamas, em Gifu, Japão. Atualmente, Christa e Mignonneau são catedráticos da Universidade de Artes e Design em Linz, Áustria, onde também dirigem o Departamento de Cultura da Interface no Instituto de MídiasEstudou botânica na Universidade de Viena. Estudou escultura na Academia de Belas Artes de Viena. Estudou no Institut for Neue, “Prisma Prize” em Arte Informática no Mediale and Interface 2 de Hamburgo, Bolsa por 6 meses em Chicago do Ministério de Arte e Ciência, Viena. Desde 1990 , expôs diversas vezes na Áustria, Alemanha, França, Finlândia, E.U.A. e Canadá, principalmente nas áreas de multimédia e arte interativa.


Laurent Mignonneau

Nasceu na França. Estudou vídeo na Academia de Belas Artes de Angoulême. Estudou no Departamento de Infografia no CNBDI (Centre National de la Bande Dessinée et de l’Image, Angoulême). Possui diploma Nacional em Artes Plásticas, diploma Nacional em Expressão Plástica. Foi assistente do físico Michel Klein no Institut für Neue Medien de Frankfurt, onde trabalha em visualização e simulação de sistemas complexos e na complexidade “chaos-fractale”. Recebeu Prêmio Eurocriação “Pépinières Européennes”.
Bolsa de 6 meses na Alemanha, Städelschule, Institut für Neue Medien, Frankfurt, “Prisma Prize” em Arte Informática no Mediale and Interface 2 de Hamburg, Prêmio seleção nacional para os “Novos Criadores 93” Paris. Desde 1985 , executou diversos concertos na área de Música Electroacústica; Desde 1987tem trabalhado em arte vídeo e arte interativa; tem participado em diversas exibições e apresentações vídeo (Canal Plus, França; AVE Video festival, Holanda; Videonnale Berlin, Alemanha, Images du Futur).

 

Simone Michelin

Artista e pesquisadora, incorpora novas tecnologias (TCI) na produção da obra de arte. Desenvolve o projeto Domínio Público – abrangendo Arte Eletrônica, Novas Tecnologias e a Produção do Espaço Público. Professora Adjunta da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisadora do Programa CAIIA-STAR – Center for Science, Technology and Art Research, University of Plymouth, UK, 1999/2000 sob a orientação de Roy Ascott, Pesquisadora do Programa VIRTUOSE/MINC – BR, na Temple University, School of Communications and Theater e na Tyler School of Art, Sculpture Departament, 1998/1999 sob a orientação de Peter DÁgostino; desenvolve sua investigação junto à Escola de Belas Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil, sistematicamente desde 1991. (Texto informado pelo autor)


Dóris Kosminsky

Possui graduação em Desenho Industrial pela ESDI-UERJ (1982), mestrado (2003) e doutorado (2008) em Design pela PUC-Rio. Recebeu Menção Honrosa no Prêmio Capes de Tese de 2009. Atualmente é professora do curso de Comunicação Visual Design e do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais (PPGAV) da Escola de Belas Artes da UFRJ . Trabalhou como editora de arte no jornalismo da TV Globo e lecionou em cursos de especialização no SENAI-CETIQT e na PUC-Rio. Tem experiência interdisciplinar nas áreas de: design de informação, TV graphics, imagem, animação, construção social da visualidade, visualização artística de dados, artes visuais e novas mídias.


Livia Flores

Professora adjunta da Escola de Comunicação da UFRJ e do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes da UFRJ. Representante da Linha de Pesquisa em Linguagens Visuais -PPGAV/EBA/UFRJ (2012-atual). Possui graduação em desenho Industrial pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1981), mestrado em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998) e doutorado em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2007). Artista e pesquisadora, tem experiência na área de Artes, com ênfase em Artes Visuais, com exposições individuais e coletivas realizadas no Brasil e no exterior, atuando principalmente nos seguintes temas: arte contemporânea, filme, instalações cinemáticas, intervenções urbanas. (Texto informado pelo autor)

Iniciou sua produção no início dos anos 1980. Seu trabalho inicial, que envolvia a pesquisa de materiais e processos, tem-se desdobrado num interesse cada vez mais acentuado na imagem e suas implicações. Morou na Alemanha entre 1984 e 1993, onde se graduou em artes pela Academia de Düsseldorf. É mestre em Comunicação e Cultura (ECO /UFRJ 1998) e doutora em Linguagens Visuais (EBA/UFRJ, 2007). É professora adjunta da Escola de Comunicação da UFRJ e do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da EBA/UFRJ. Tem exposições individuais e coletivas realizadas no Brasil e no exterior. Recentemente publicou livro sobre sua obra: Livia Flores, Coleção ARTE BRA. Rio de Janeiro: Automatica, 2012.

 

Michelle Sales

Bacharel e Mestre em Comunicação Social com ênfase na área de cinema e vídeo. Doutora em Estudos de Literatura pela PUC – Rio. Pesquisadora visitante da Universidade de Coimbra ao longo de 2008, no âmbito do Estágio de Doutouramento CAPES/PDEE. Pesquisadora colaboradora do grupo Correntes artísticas e movimentos intelectuais do Centro de Estudos Interdisciplinares do século XX, da Universidade de Coimbra. Professora Adjunta da Escola de Belas Artes da UFRJ. Programadora do Bacalhau Cinema Clube do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, MAM. Atua nas áreas: teoria da imagem, teoria do cinema e teoria da comunicação.

 

Hélio Jorge Pereira de Carvalho

Mestre em Multimeios pela Universidade Estadual de Campinas (1999), com dissertação acerca das possibilidades de montagem e reconfiguração proporcionadas pelos processos de criação multimidiáticos. Possui Graduação em Artes Visuais – Pintura (1986) e em Desenho Industrial (1982), ambas pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É Professor Adjunto do Departamento de Arte da Universidade Federal Fluminense (UFF) e atualmente Coordena o Curso de Graduação em Artes (UFF). Foi também Diretor da Galeria de Arte da UFF (1992/93) e Coordenador do Curso de Graduação em Produção Cultural da UFF (2002).

Rodrigo Cicchelli

Bacharel em Composição Musical pelo Instituto Villa-Lobos da UNIRIO (1984-1990) e Doutor em Composição Musical pela University of East Anglia (1991-1996), tendo seguido também o Cursus de Composition et d’Informatique Musicale do IRCAM (1995-1997). Premiado nacional e internacionalmente por sua produção, é professor associado da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro, tendo ingressado em junho de 1998, atuando na graduação e na pós-graduação. Lançou em 2008 o CD Eletro-Acústicas pelo selo ABM Digital, com apoio da Rádio MEC e patrocínio do Programa Petrobras Cultural. Produz e apresenta desde outubro de 2010 o programa radiofônico semanal “Eletroacústicas”, num convênio da UFRJ com a EBC / MEC FM. Em 2012, foi agraciado com uma encomenda da FUNARTE para compor uma obra a ser estreada na XX Bienal de Música Brasileira Contemporânea de 2013. Desde fins de 2011, dedica-se à articulação de um grupo de docentes e pesquisadores de diversos departamentos da Universidade Federal do Rio de Janeiro para formular a construção de um recurso compartilhado na Ilha do Fundão, denominado Concha da UFRJ , dedicado à pesquisa, criação e difusão das artes e ciências do som e suas interseções com o audiovisual, artes interativas e multimeios. (Texto informado pelo autor)

Sonobotanic experiment

postado em: Agenda, Blog | 0

Colaboração do NANO com o pesquisador Dr. Eduardo Coutinho, Postdoctoral Research Fellow – Swiss Center for Affective SciencesUniversity of Geneva 
Coordinator of the Music and Emotion Research Focus

O trabalho, video e música será apresentado no evento Night Life da California Academy of Sciences (http://www.calacademy.org/events/nightlife/) no proximo dia 9 de maio”.

 

[vimeo http://vimeo.com/65976000 w=500&h=280]

 

O NANO estará participando do SIIMI 2013

postado em: Agenda, Blog | 0

Simpósio Internacional de Inovação em Mídias Interativas [ SIIMI ] é uma iniciativa do Media Lab UFG e parceiros. O evento teve sua primeira edição em 2012, com público de 500 pessoas de diversas formações e localidades. Ao longo dos três dias os convidados e o público discutiram o estado-da-arte da pesquisa e da inovação em mídias interativas nos campos da arte, design, comunicação, música, política cultural e inclusiva, educação, TIC, computação e games, resultando em um panorama global do tema. Vídeos com as palestras estão disponíveis na seção de vídeos deste site.

 

O SIIMI é um espaço para discussão e apresentação propostas, produtos e pesquisas em mídias interativas. A partir da segunda edição o evento passa a receber o Córtex Imersão – Rede de Experiências Digitais e o Diálogos ArteCiência.

Prof. Dr. Cleomar Rocha
Coord. Media Lab UFG