Acoplamentos Sensíveis [processo]

postado em: Blog, Destaques, Processos | 0

Acoplamentos Sensíveis trata-se de uma série de propostas artísticas que exploram conexões entre o homem e a natureza mediadas por tecnologia. A presente versão foca na criação de um vestível como interface interativa para atividade responsiva visual e sonora.
O vestível é um hibrido “ planta – sistema tecnológico” que se estende ao corpo na altura do pescoço ao abdômen. A estrutura em sua parte superior comporta um colar com microcontrolador ligados ao envoltório composto por planta, sensores, leds e alto faltante. 

A produção do vestível se estendeu entre os meses de abril à junho. Inicialmente tentamos entender a forma em que o vestível teria respeitando uma melhor anatomia ao corpo já que tínhamos em mente os componentes que esse sistema deveria ter. Fiz estudos da forma em uma boneca e chegamos no primeiro esboço onde o digitalizei e a partir dele poderíamos prosseguir para a fase de prototipagem.

 

Estudo do Corpo
Estudo do Corpo
Croqui Digitalizado - 1
Croqui Digitalizado

 

Nos dias 10-12 abril de 2015 aconteceu a imersão do NANO onde conseguimos desenvolver o protótipo do vestível. Esse momento foi muito importante para a formatação da estrutura onde vimos que podíamos explorar de algumas funções do vestível. A estrutura foi construída com varas de alumínio e cola quente. De acordo com o nosso primeiro croqui o vestível teria um tubo de respiração onde o espectador poderia assoprar e interagir com a planta porém no decorrer do processo vimos que seria mais interessante a interação direta onde deixamos uma aréa aberta para melhor visualização do sistema e a aproximação do espectador.

Protótipo Fazenda
Protótipo Fazenda

 

A partir do protótipo chegamos a um desenho final.  O próximo passo seria buscar os materiais apropriados.

Desenho final
Desenho final

 

De acordo com o desenho final o vestível resumidamente teria os seguintes componentes: Curva com encaixes para leds sequenciais, bandeja vazada para encaixe do vidro que conteria a planta em água junto com o Terra, varas que sustentariam e possibilitariam encaixes entre os materiais, condutores galvânicos(garras) e o Colar com extensão que  carrega microcontrolador e bateria.

Decidimos que a estrutura seria de acrílico para a curva e a bandeja, o alumínio para a sustentação, o plástico abs para as peças de encaixe e proteção do frasco de vidro e o couro para o Colar. A bandeja e a curva foram desenhadas em AutoCad e cortadas na impressora a laser e os encaixes e a proteção feitos em impressora 3D.

3D printer
3D printer

Em relação ao colar, sob orientação da professora Desirée Bastos, tirei o molde do pescoço e ombro no manequim  utilizando fita crepe e papel insulfilm. Traçada e cortada a modelagem plana passei para um papel mais rígido para usar como molde para o corte no couro. Com a modelagem transferida para o couro,  montei com a aplicação de rebites, plástico cristal, fivelas e tiras de couro.

Modelagem Plana
Modelagem Plana

 

Finalizando o processo, mesclamos todas as peças com sistema de encaixe, tensão e parafusamento.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Segundo Modelo

postado em: Blog, Destaques, Processos | 0

Devido aos problemas encontrados no primeiro modelo, refizemos a estrutura do terrário focando em encaixes com ângulos de 90 graus, assim são dispensados acabamentos após o recorte na máquina a laser. A nova estrutura é composta por três módulos: base, cerca e hastes.

1

 

A base mantem sua forma pentagonal, e possui rasgos de encaixe para as hastes que servem de estrutura para segurar a lâmpada, mangueiras e leds, etc.

based base

As faces desta base não são fechadas, seguem uma estrutura tipo cerca com quatro módulos pentagonais vazados que serão encaixados em serie nas hastes.

cercajpg cercad2

 

O conjunto de cinco hastes iguais sustenta todo o terrário.

hastes hastesd

Próxima etapa é realizar os testes físicos desse novo modelo e fazer os ajustes necessários.

 

Imersão NANO 2015

postado em: Blog, Destaques | 0

 

A Imersão do Núcleo de Arte e Novos Organismos ocorreu na Granja Sagrada Família em Barra do Piraí, Rio de Janeiro nos dias 10-12 de Abril de 2015.

Durante três dias, o 18 integrantes e colaboradores do NANO puderam se confraternizar e aprofundar seus conhecimentos em Processing através de um workshop com o professor Renato Hermes Hidelbrando do Intituto de Arte (IAR) da Unicamp. Dois pesquisadores do Laboratório de Experimentos Remotos Webduino da PUC-Campinas também ministraram um workshop de Arduino, ensinando os participantes a criarem circuitos com LEDs, resistores, potenciômetros e buzzers. Paralelamente, bolsistas construíram um protótipo de terrário em madeira. Também, o coordenador Guto Nóbrega e Iane Cabral fizeram teste de estruturas do projeto vestível móvel.

Essa é a segunda edição da Imersão NANO. A primeira edição ocorreu em julho de 2014 no mesmo local.

 

 

 

 

 

 

TED KRUEGER no NANO/PPGAV/UFRJ

postado em: Agenda, Arquivo, Blog, Destaques, Fotos | 0
Data:

26 de março 2015 (quinta-feira)

Local:

Sala 702, PPGAV/EBA, Predio da Reitoria , Ilha do Fundão , Rio de Janeiro

 

Redesigning Human The presentation will focus on theoretical approaches and lab practices related to extended mind, prosthetics, augmentation, sensory substitution and so on attempting to characterize humans not with an inherent Human Nature but as the product of design activity and to define the goal of design activity as the production of that thing that we call the human.

March 26th 10h30 am Rector’s Building, Room 702 University Campus, UFRJ Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro

palestra_tedkrueger

SET – Drª Luiza Helena Guimarães

postado em: Blog, Destaques | 0

SET - Drª Luisa Helena Guimarães

Clique aqui para ver o cartaz em alta resolução


Arte Viva / Cinema Vivo

Um percurso poético entre minha produção acadêmica e práticas artistas que levaram até a criação de Panoramas Entanglednet e Entangledesire e do LabCineVivo. Trataremos dos procedimentos, dos processos e das teorias referentes ao modo como dispositivos imagéticos, interativos e “sensíveis” provocam comportamentos e apreendem a expressão da subjetividade do participador, tanto através de suas estratégias quanto de suas potencialidades virtuais. Abordaremos a temporalidade da criação e das experimentações em dispositivos que aliam arte e tecnologias, bem como, as implicações que trazem para a arte e sociedade, nos aspectos éticos, estéticos e políticos da contemporaneidade. Uma relação entre desejo e produção de subjetividade micropolítica, pois, somente o desejo em sua potência crítica pode ter a capacidade de criar e fundar e refundar territórios de vida singulares. Um acoplamento entre máquinas técnicas, corpo e subjetividade que iguala a criação do audiovisual e da vida, um CINEMA VIVO.
www.luizaguimaraes.art.br

 

Luiza Helena Guimarães é Artista​-​pesquisadora de​ ​midiart​e​, comunicação e subjetividade, criadora do LabCineVivo.​ ​Doutora pelo Núcleo de Subjetividade da PUC-SP, com doutorado sanduíche na Facultad de Educación Visual y Plástica y Comunicación Audiovisual e no Laboratorio de Medios Interactivos, ambos da Universidade de Barcelona- ES (2008 – 2012). Mestre em Comunicação e Cultura, Tecnologias de Comunicação e Estáticas, pela ECO/UFRJ. É coloboradora do CIBERCULT – laboratório de pesquisa em comunicação distribuída e transformação política​- ECO/UFRJ.

Arduino + Python, uma maneira de transmitir dados

postado em: Blog, Destaques | 0

Uma das maiores necessidades em relção à implementação do S.H.A.S.T. e da Telebiosfera é o uso de sensores para a obtenção da maior sorte de dados ambientais possíveis. Segue a descrição de uma das infinitas formas de se obter dados de um arduíno e passar para um computador, no caso um RaspberryPi, ou qualquer outro pc Linux. Trata-se de instalar um módulo pyFirmata que se comunique com o arduino via protocolo Firmata. Com isso é possível criar programas que recebam dados medidos ou gerados pelo arduino e processá-los ou transmití-los usando máquinas mais potentes.

1- Instalações

Antes de instale o pyFirmata devemos instalar o pip, um gerenciador de pacotes próprio para módulos e programas escritos em python:

Passo 1:
Baixe o script “get-pip.py” no site http://pip.readthedocs.org/en/latest/installing.html

01

 

Passo 2:

execute o arquivo o usando a seguinte linha de comando no diretório do arquivo baixado
$ sudo python get-pip.py

02

Passo 3:

Instalado o Pip sem problemas, agora é hora de instalar o pyFirmata, para isso baixe o seu pacote pyFirmata-(versão).tar.gz no site https://pypi.python.org/pypi/pyFirmata

03

 

Passo 4:

Baixado o pacote, extraia os arquivos e usando o terminal execute,no diretório extraido,  $ sudo pip install setup.py

05

 

Agora com o pyFirmata instalado é hora de explorar suas possibilidades:

2 – Utilizando

 

Entranhas experimentação performática

postado em: Blog, Destaques | 0

Há algum tempo atrás pensando em como conseguir medir a intensidade das trocas sensoriais e emocionais entre os seres humanos passei a considerar o uso da tecnologia como um meio interessante para conseguir realizar experimentações nesse sentido. Inspirada nas Artes Dramáticas e no método viewpoints, focado na resposta sinestésica dada através de um estímulo, iniciei uma pesquisa onde o foco é procurar uma forma de externar a mudança de dentro de um corpo através do estimulo de outro . Baseando-se na artista Danielle Gotell em sua obra Impulse, onde ela mistura quatro batimentos cardíacos em uma instalação de vídeo, considerei a possibilidade de usar os batimento cardíacos para dar visibilidade as emoções. Sendo assim serão realizados testes na tentativa de dar visibilidade a tais sensações de um corpo após este ser estimulado.
Me interesso muito pelo trabalho da artista Lucy Mcray , que explora relação entre o corpo e a tecnologia . As fotos nesse post mostram o primeiro teste onde utilizei bexigas, LEDs, mangueira plástica e plástico. Nesse primeiro ensaio foi possível enxergar o leque de possibilidades que a tais relações podem oferecer.

 

 

 

 

 

 

Referência :
www.lucymcrae.net/

Oficina ETS no SIIMI 2014

postado em: Blog, Destaques | 0

 

A partir da proposta desenvolvida nas semanas anteriores, os bolsistas do NANO Alana Santos, Aroldo Mascarenhas, Filipi Dias e Leonardo Nunes foram até Goiânia ministar a Oficina Experiências Tecno-Sinestésicas  no SIIMI 2014, na UFG.

A oficina de desenvolveu na tarde de 15 de abril com  cerca de 15 participantes. Iniciamos explicando motivo central: a sinestesia. Os 4 oficineiros se revezavam mostrando o que é arte experimental e os trabalhos já desenvolvidos pelo NANO. Acessamos o site do Laboratório e mostramos o vídeo da performance da pesquisadora Bárbara Castro para que eles tivessem uma boa idéia do que se passa nesse meio arte+tecnologia, bem como as ferramentas que utilizaríamos: Processing, Pure Data e Arduíno.

Dando início à parte prática, os participantes se colocaram em volta da Mesa Pic-Nic. Explicamos o sistema fruta-Aduíno-PD e como a fruta pode atuar como resistor,  incorporando o sinal da fruta (r fruta) e como utilizá-lo para gerar diferentes sons. Ao invés de conectores simples, talheres de metal foram adaptados para que fizessem o contato com a fruta e ainda mativessem o universo pic-nic.

Após essa etapa, dividimos o grupo em 3. Uma parte ficou ainda no Pic-Nic Sonoro, outros 4 foram para a Mesa Sinestesia e outra parte foi para outra mesa onde o Léo mostrou como fazer um patch no PD partindo do zero. Aos 4 participantes da mesa sinestesia foi explicado que o desenho a ser feio por eles geraria uma outra imagem digital. Sendo assim, os participantes começaram a desenhar com os olhos vendados utilizando o tato. Os desenhos criados com gouache, giz de cera e hidrocor traduziam os sons caóticos gerado pela mesa pic-nic. A construção gradativa do desenho colaborativo era visto em tempo real por uma webcam instalada no teto a qual era ligada a um notebook. Esse dados recebidos, eram transformados pelo processing em novas imagens . O sketch Pontillize desconstruía a imagem captada em círculos (ou quadrados) gerados a 100 objetos por segundos. De acordo com a posição do cursor no eixo X, o tamanho do objeto gerado variava. Esse processo podia ser visto em tempo real na projeção feita na parede. As etapas geradas eram salvas com um clique na tela do sketch em que aparecia a marca d’agua SIIMI 2014 NANO.

Os participante se mostraram bem motivados. Por toda a duração da oficina ela ficaram gerando os sons com a frutas, espetanto os tralheres, se alimentando das frutas e pães. O mesmo foi obsevado na parte de desenho. Os participantes se divertiam, não exitavam em sujar as mãos com guache e se surpreendiam com a beleza do desenho criado quando retiravam a venda. Vimos sorrisos, descontração e interação.

Como produto final tivemos 14 desenhos de tradução som-imagem-tato, 32 imagens digitais e oficineiros com noções básicas de processign, PD e Arduíno.

 

 

 

 

 

 

 

CLAlouros. Instalação HA na Reitoria

postado em: Blog, Destaques | 0

Na semana  de CLAlouros promovida pelo CLA da UFRJ fomos convidados a apresentar um dos trabalhos do NANO e decidimos por criar uma instalação do HA, Hiperorganismo Antropofágico, no hall dos elevadores do Prédio da Reitoria. oi um trabalho em equipe envolvendo bolsistas e colaboradores no NANO em um trabalho bem sincronizado.

Aqui imagens do processo e resultado.

CARTAZ A3-HA-ALTERADO

Hiperorganismo Antropofágico, HA, trata-se de uma experimentação em arte e robótica desenvolvida pelo NANO – Núcleo de Arte e Novos Organismos, espaço laboratorial que atua no âmbito das atividades prático-teóricas da linha de pesquisa Poéticas Interdisciplinares, do Programa de Pós-graduação em Artes Visuais/ EBA/UFRJ. Tais projetos, com foco em interatividade, design de interfaces, hibridação e biotelemática,  visam  proporcionar aos pesquisadores do programa, assim como bolsistas de graduação, ambiente transdisciplinar para investigação de poéticas  criativas na confluência entre arte, ciência e tecnologia.


Created with flickr slideshow.

 

Abaixo imagens do resultado

 

 

Oficina SIIMI – Pure Data + Arduino

postado em: Destaques | 1

A oficina que será ministrada no SIIMI, constará de uma etapa em que os participantes irão interagir com frutas e sensores analógicos, como sensor de temperatura ou luz. Esse processo gerará e modificará sons pré-definidos através de interação do Arduino (que receberá o valor lido pelos sensores) com o Pure Data.

Segue abaixo um video-tutorial básico que demonstra como é feita esse vínculo entre Arduino e Pure Data.

O SIIMI – Simpósio Internacional de Inovação em Mídias Interativas – acontecerá de 14 à 16 de Abril de 2014 na Universidade Federal de Goiás.

Website – SIIMI

Ciclo de Oficinas do NANO – Impressora Corte à Laser

postado em: Arquivo, Blog, Destaques, Referências | 0

Título: Máquina de corte à Laser

DATA: 24/01/2014

HORÁRIO: 9-12h

LOCAL: NANO/Laboratório de Maquetes (FAU-UFRJ)

RESPONSÁVEL: Laura do Lago Basile / Lamo (Laboratório de Modelos) 

O que é o corte à laser?

A máquina de corte à laser usam um laser de alta potência para fazer muito rapidamente cortes de precisão em uma ampla variedade de materiais. Eles também podem gravar (ou esculpir). Cortadores a laser são comumente usados em fabricação geral, mas eles também estão começando a ser mais disponível para escala não industrial, para as escolas, pequenas empresas e uso pessoal.

EMENTA: Capacitação de alunos à utilização da máquina corte à laser. Apresentação de possibilidades de modelos feitos a partir de corte e gravura das peças.
Visualização de um exemplo em prática, impressão e montagem de um modelo.
Apresentação do programa 123 D Make que possibilita a planificação de modelos 3D.

OBJETIVOS:
• Fortalecer o contato entre os dois grupos de pesquisa NANO – Núcleo de Arte e Novos Organismo e Lamo – Laboratório de Modelos de Fabricação Digital
• Capacitar alunos a utilização da máquina de corte à laser. Possibilitar corte de peças para robótica e para reprodução de impressora 3D.

METODOLOGIA:
Parte teórica inicial: Apresentação sobre a utilização da máquina de corte à laser na sala de pesquisa do Nano.
Parte prática a seguir: impressão de modelos exemplares. Utilização do programa 123D Maker e prática de parâmetros de impressão.

PDF Laser cutter (apresentação)

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS E ELETRÔNICAS:

Site do fabricante Universal
http://www.ulsinc.com.pt/

Exemplos de utilização

http://ellisassociates.ca/

Tilt Lamps

http://marialardi.com/2012/04/10/laser-cutting-files/

Referencias artísticas
http://www.julioportfolio.com/index.php/project/striated-space/
http://dorkbyte.com/2010/07/17/make-visual-art-through-code/

Arquitetura Responsiva
http://arquiteturaresponsiva.blogspot.com.br/

 

EEG experiment #3

postado em: Blog, Destaques, Processos | 0

Provamos o script (python) que envia os dados dos sensores do EEG para o OSC. Essa foto foi tirada quando ainda não havíamos acertado os valores de parâmetro dos sensores.

Screenshot from 2013-11-12 17:52:18

TENS vem do inglês Transcutaneous electrical nerve stimulation (neuroestimulação elétrica transcutânea) e é uma terapia usada para analgesia de dores musculares. Existem pontos que ao receberem descarga elétrica, liberam endorfinas e dopaminas para o cérebro. Essas liberações é que vão ser informadas ao EEG por meio de mudanças na variação da leitura.

tens1

Hiperbot 1.0

postado em: Blog, Destaques | 4

O hiperbot surgiu da ideia de colocar em um único organismo, que se assemelhasse a uma criatura, todos os sensores que estamos trabalhando para o evento Hiperorgânicos > Concha/Ressonâncias. Ele captura sinais galvânicos das folhas de plantas, mede temperatura ambiente, luminosidade e umidade do solo. Viemos desenvolvendo a forma e estrutura do hiperbot (antigo “ecobot”) com base em impressões 3D, eletrônica básica e materiais acessíveis.  O hiperbot  tem papel fundamental no evento Hiperorgânicos, já que ele irá enviar dados do nosso terrário para o servidor e permitir que todos possam usar seus dados para compor experimentos sonoros e visuais.